learnex

Rodrigo Bragança

RODRIGO BRAGANÇA

 

Autor do livro de poemas Solo para um homem só (Patuá, 2016) é natural de Belo Horizonte e radicado em Brasília, Rodrigo Bragança mudou-se para São Paulo em 1996 onde formou-se em música popular pela Faculdade de Artes Santa Marcelina, tendo escolhido a guitarra como instrumento. Na Berklee College of Music Online School (EUA) fez cursos nas áreas de arranjo, produção musical, mixagem, masterização, composição de jazz e música pop, contraponto, música para TV e filmes. Estudou fotografia, arte moderna, criatividade e arte contemporânea no MAM e no Instituto Tomie Ohtake. Em 2014, concluiu a pós-graduação em canção popular na Faculdade de Artes Santa Marcelina.

Foi um dos compositores e criadores do grupo de música brasileira instrumental Mandu Sarará - no qual tocava guitarra, violão e viola - , cujo primeiro CD "Mandu Sarará" (2003) contou com participações de Hermeto Pascoal e Proveta e o segundo, "Varal" (2007), com a presença de Danilo Caymmi em sua música Lavadeira. Além de se apresentar em importantes programas da televisão brasileira como Programa do Jô, Bem Brasil e Sesc Brasil Instrumental, o grupo mostrou seu trabalho em festivais internacionais como o Pianofest em Grand Forks, Estados Unidos, o Kolkata Jazz Festival em Calcutá, Índia e o Dance and Music Festival em Nova Delhi, Índia.

Como compositor e produtor musical criou as trilhas sonoras dos documentários “Tartaruga Marinha, Um Sobrevivente em Extinção” para o Canal National Geographic e “Pele Verde” para o Banco do Planeta dentre outros.

Em 2003, criou a banda de rock O Grito da qual foi letrista e na qual realizou grande parte de suas experimentações com timbres de guitarra elétrica. Quando lançou o cd "Urbe Incandescida" de 2005, O Grito foi apontado pela revista especializada Guitar Player em fevereiro de 2006 como "um dos mais inovadores grupos de rock da atualidade".

Em 2007, deu oficinas de criação de canções em bibliotecas públicas de São Paulo e na Casa das Rosas.

Em 2008, lançou seu CD solo "Lágrimas de Chorar Estrelas" que explora originais texturas de guitarra elétrica além da voz do compositor-intérprete, uma experiência bastante incomum no contexto da música popular brasileira. Buscou expandir seus limites ampliando e aprofundando as possibilidades timbrísticas e expressivas do instrumento por meio da experimentação de novas técnicas e, ainda, com o auxílio de pedais de efeito analógicos. O CD que inclui a canção Longe, parceria com Chico César, contou com a produção de Ricardo Mosca. “Genial! Uma obra-prima! Incrível resultado conseguido com texturas e harmonias ultra-contemporâneas, com letras inusitadas e inventivas, sem deixar um segundo de ser singelo, expressivo e profundamente sublime.” Foi o que disse Alê Siqueira, produtor musical de Tribalistas, Elza Soares, Grupo Corpo, Zé Miguel Wisnik.

Em 2009, Rodrigo concebeu e fez direção artística do projeto “Caminhos Poéticos da Canção” que se propôs a investigar as relações entre poesia, letra e música na canção popular brasileira. Em shows, mesas redondas e palestras realizadas no Centro Cultural Banco do Brasil de Brasília e do Rio de Janeiro, o compositor e intérprete atuou ao lado dos artistas Fernando Brant, Tavinho Moura, Chico César, Arnaldo Antunes, Alice Ruiz, José Miguel Wisnik, Arthur Nestrovski, Luiz Tatit e Luiz Melodia.

Em 2012 e 2013 excursionou pela França e Inglaterra como guitarrista do projeto Axial (electro-roots). Em 2014 e 2015, fez participações no projeto Landscapes, improvisações de música e poesia na Casa do Núcleo em São Paulo sob curadoria de Benjamim Taubkin e Natália Barros.

Atualmente, integra o coletivo de improvisação Andar, Nadar e Voar com Benjamim Taubkin, Ricardo Herz, Ari Colares, João Taubkin e Pedro Ito e também participa do projeto Música de Montagem liderado pelo compositor Sérgio Molina.

 

Contatos:


Conheça 05 poemas do livro Solo para um homem só, de Rodrigo Bragança:

 

infância


jogava botão
pelos dois times
o da casa
o visitante
e fazia a narração

 

***

 

o adeus


as mãos acenam
a voz naufraga
o peito carrega e deságua 
os olhos chovem o fim da tarde trágica

a cidade acabou

nunca há tempo
para uma despedida

o abraço uma hora acaba

 

***

 

solidão 35


no silêncio da casa
na sujeira da louça
no requeijão mofado

debaixo dos tapetes
dos poemas
das manias

na carne da tristeza
no cerne das canções
na tevê ligada

na eternidade dos domingos
na pressão do abraço
no caminhar vazio

na luz do quarto
que não está mais acesa
quando volto

 

***


gritou


foi como chutar um cachorro
seu estômago enrugou
sua face contraída se desfigurou

a garganta em brasa
as axilas escorrendo medo
a mente esperneando falida

sentiu o peito secar
as formigas escalarem a face

e num surto
mais rápido que um susto  
virou deserto

 

***

 

solidão 667


fica tudo adiado:
o relatório
o banho
o boleto bancário

escovar os dentes da vida
só amanhã

 

 


 

 

Livro: Solo para um homem só

Autor: Rodrigo Bragança

Gênero:
Poesia

Número de Páginas:
100

Formato:
14x21

Preço:
R$ 38,00 + frete